Tecnologia e Gênero: distinção importa?

Este artigo foi criado pela equipe Bitdefender Antivírus para uso exclusivo do site Mulheres na Computação.

Não se pode mais negar: o empoderamento feminino, finalmente, é uma pauta que vem crescendo e sendo discutida nos mais diversos âmbitos da sociedade. Na área de computação e tecnologia da informação, não poderia ser diferente. Para assinalar o Dia Internacional da Mulher de 2016, a equipe do site HOTforSecurity foi em busca de alguém que pudesse falar sobre o assunto com prioridade.

A convidada foi Ivona Chili, 20 anos de idade, estudante na Faculdade de Ciência da Computação A. I. Cuza de Iasi (Romênia) e um dos mais jovens nomes na área de pesquisa de segurança cibernética da empresa Bitdefender – internacionalmente reconhecida por suas soluções e softwares antivírus, com destaque para o Internet Security, que é a melhor proteção para navegação on-line.

Gênero e mercado de trabalho

O bate-papo com Ivona foi marcado por uma observação inquestionável: códigos não possuem distinção de gênero. Diante deste fato, surge a pergunta, onde estão as mulheres nos debates, rodas de discussão, mesas de reuniões, fóruns e tantos outros ambientes que propiciam a troca de informações e desenvolvimento do setor? Para Ivona, a questão é justamente o receio de tentar se encaixar em um ambiente predominantemente masculino, muitas vezes, motivado pela falsa ideia de não ser possível obter sucesso em uma área tão rápida e evolutiva.

Desde o ensino médio, a estudante tinha consciência de seu gosto pela área de TI. Seus primeiros passos foram motivados por um professor de ciência da computação que, segundo ela, a guiou e ajudou nas fases de aprendizado, até que ela pudesse consolidar seus conhecimentos e optar por uma carreira em segurança cibernética. A oportunidade de ingressar na equipe anti-malware Bitdefender surgiu, somente, após testes rigorosos de qualificação, que resultaram na oferta de emprego.

Ivona destaca que, mesmo não tendo sofrido com essa realidade dentro da Bitdefender, está ciente que, em geral, a indústria TI ainda é majoritariamente dominada por homens e – pasmem – grande parte das pessoas acredita que os programadores do sexo masculino são melhores do que as mulheres. Simples assim.

As provações e questionamentos constantes baseados apenas no gênero, infelizmente, ainda são algumas das barreiras encontradas pelo público feminino no universo da tecnologia. A partir daí, torna-se fácil imaginar o porquê de muitas mulheres julgarem essa indústria como pouco interessante ou viável para seu crescimento profissional.

As pessoas acreditam que os profissionais de computação vivem em um mundo solitário e antissocial, o que não é uma representação muito atraente ou precisa. Mas, na minha opinião, uma vez superado esse estereótipo, elas vão descobrir que a chamada “cultura geek” não é tão ruim quanto ouviram. Ao nível da indústria, percebido este hiato, a tendência é que hajam mudanças à medida que mais mulheres se juntem a este campo e que suas realizações acabem gerando consciência no setor”, defende Ivana.

image2

Por onde começar e o que realmente importa

Mesmo diante da resistência comumente enfrentada pelo público feminino, a principal preocupação a ser considerada, na verdade, é o desenvolvimento de habilidades técnicas, segundo Ivana. Tais habilidades devem englobar desde o conhecimento de diferentes linguagens de programação e do campo de segurança cibernética em geral, até a capacidade de comunicação com pessoas, planejamento e organização.

Segundo ela, a educação formal tem um papel muito importante na formação de uma carreira, não somente pelo diploma, mas para a obtenção de um entendimento mais amplo dos campos disponíveis na área – fornecendo a base necessária para a reflexão de “por onde começar” e qual o caminho a se seguir. Por outro lado, a educação não formal é capaz de proporcionar possibilidades sem limites de aprendizado, oferecendo a liberdade de explorar novos conceitos, correr riscos e ir além.

Para completar, a estudante defende que, o que realmente importa, na verdade, é a motivação de quem deseja aprender, sempre pautada pela paixão e alegria ao assumir desafios. “Se estamos de mente aberta e apaixonados pelo nosso trabalho, podemos trazer uma nova perspectiva sobre as coisas. Nós temos o poder de inovar e influenciar as percepções, só nos falta a audácia”.

You go, girl!

Imagens: geomarketing / a confraria das divas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s