+50 e a Tecnologia

Por Claudia Nascimento

Uma incompatibilidade aparece nesse título: pessoas com 50 anos ou mais e a tecnologia?

Bem, pelo menos foi o que sempre pensei a respeito do tema e tenho 53 anos. Demorei a me envolver com tudo que tivesse mais de um botão, afinal sempre tive mil coisas pra fazer e aprender a utilizar todos os recursos disponíveis em novas TVs, computadores, celulares nunca fez parte das minhas necessidades além disso, eles mudam tão rápido que quando dominava um celular já estava velho e desatualizado.

Estou recomeçando minha vida agora, separada, tive que encontrar um novo caminho e sozinha. O que isso tem a ver com a tecnologia? Tudo. Comecei a estudar novamente ano passado, fiz um curso de Inbound Marketing porque ao ler sobre o conteúdo achei bem interessante: um marketing que se relaciona com as pessoas? Vou fazer, talvez consiga trabalhar com isso na minha cidade, interior de SP, pequena, 80.000 habitantes. Mas esse curso foi como se uma porta tivesse se aberto, não parei mais de estudar a respeito e estou fazendo outro curso, de Marketing Digital onde comecei a descobrir o que realmente a tecnologia pode fazer e é muito mais do que encher o controle remoto da TV de botões que nunca sabemos pra que serve.

O que mais me deixa feliz é descobrir que com a tecnologia podemos multiplicar o número de pessoas atendidas por um produto ou serviço, alguns gratuitamente ou a preços acessíveis. Essas descobertas me levaram a livros, matérias, blogs, palestras que nunca antes tinha pensado participar. Um dos livros que achei maravilhoso chama-se O Poder do Hábito. Explica de forma fácil e clara porque é tão difícil mudar hábitos e tão fácil consegui-los, mesmo que sejam péssimos. Muito simplificadamente é isso: nosso cérebro gasta uma usina de energia cada vez que trabalha em aprender algo, então sempre busca repetir o que já sabe ou encontrar algo parecido em nossa memória.

Por tanto temos uma explicação para nossa dificuldade em aprender novas tarefas. Sim, ela existe mesmo. Os jovens apenas veem um teclado e deduzem como usá-lo e como jovem podem colocar as crianças de 2 anos que nos fazem sentir um dinossauro quase extinto. Nós avós vivemos falando sobre os netos que desbloqueiam o celular, entram no whatasapp, ligam pra quem querem e não foram alfabetizados. Será que são diferentes? Tenho minha teoria: quando eu era criança, ninguém nunca me ensinou a subir em árvore, pular corda, andar de bicicleta ou mesmo cozinhar, sabíamos como fazer porque o entorno era esse e aprendíamos todos os dias vendo e ouvindo os outros. Atualmente as crianças não estão no quintal e nem na rua, estão dentro de suas casas cercadas por pessoas que teclam o dia inteiro em alguma coisa e todo esse ambiente torna o aprender intuitivo.

Espero que você que está lendo e não tem +50, indique essa coluna pra todos os +50 que conhece. Certamente nos divertiremos muito por aqui além de nos ajudarmos a perder o medo de usufruir das coisas boas que tecnologia pode nos trazer.

Lembre-se: somos a geração que teve sarampo, catapora, caxumba, rubéola  e não usávamos cinto de segurança pra andar de carro, simplesmente porque não existia. Isso só pra te encorajar.

DEZ ALUNAS DO NAVE PARTICIPAM DO TECHNOVATION CHALLENGE

Imagine uma escola onde ensinar o conteúdo caminha junto a produzir novos conhecimentos. ❤ Um lugar onde professores e estudantes se preparam juntos para um mundo cada vez mais digital e desafiador. Essa escola é o NAVE (Núcleo Avançado em Educação), um programa de Ensino Médio Integrado Profissionalizante desenvolvido pelo Oi Futuro em parceria com as Secretarias de Estado de Educação do Rio de Janeiro e Pernambuco. Isso significa unir uma escola pública de ensino médio a cursos técnicos em tecnologias digitais. Cada curso técnico é desenvolvido em parceria com instituições especialistas em diferentes áreas de conhecimento, oferecendo cursos de Programação de Jogos Digitais e Roteiros para Mídias Digitais e Multimídia.

 

No dia 13 de maio, dez alunas do NAVE, programa de Educação do Oi Futuro, estarão em São Paulo participando do Technovation Challenge, maior competição internacional de tecnologia desenvolvida por meninas. Agrupadas em duas equipes, as jovens do NAVE vão defender seus dois projetos participantes, “Noiserped” (game que ajuda jovens que sofrem de depressão) e “Love Pills” (app criado para ajudar jovens em situação de crise de pânico) em sessões de pitching previstas para às 14h. Se os projetos forem aprovados, as meninas do NAVE seguem para a etapa final da competição, no Vale do Silício, onde vão concorrer com times de desenvolvedoras de diversos países.

O NAVE (Núcleo Avançado em Educação) forma jovens para as economias digital e criativa, com foco na produção de games, aplicativos e produtos audiovisuais. O programa, criado pelo Oi Futuro e desenvolvido em parceria com as Secretarias de Estado de Educação do Rio de Janeiro e Pernambuco, oferece ensino médio integrado e profissionalizante. Além de obter formação técnica, os estudantes do NAVE são incentivados a desenvolver o espírito empreendedor e a estabelecer suas primeiras conexões profissionais, por meio de projetos e eventos de integração com o mercado de inovação.

A proposta do Technovation é estimular meninas de todo o mundo a usarem a tecnologia para desenvolver soluções para melhorar a vida das pessoas e a sociedade.  A competição reconhece os melhores projetos de aplicativos e empreendedorismo voltados para desafios reais das cidades e para a promoção do bem estar desenvolvidos por equipes de meninas entre 10 e 18 anos. As finalistas viajam para a Califórnia para apresentar seus aplicativos e planos de negócios para investidores na final mundial, e concorrem ao prêmio de U$ 10.000 dólares e suporte para finalizar e lançar o aplicativo no mercado.

 

Mais informações sobre os projetos das alunas do NAVE:

 

Equipe Girls on Power – Projeto: “Noiserped”
https://my.technovationchallenge.org/apps/noiserped-by-girls-on-power

Equipe JELLP Gang – Projeto: “Love  Pills”
https://my.technovationchallenge.org/apps/love-pills-by-jellp-gang#tab–team_submission_pitch_video

Nova plataforma permite o uso de todas as redes sociais em apenas um perfil

Você já teve dificuldades para navegar em suas redes sociais, para medir os acessos ou encontrar pessoas?

O Gaddr permite acesso a todos os canais sociais e a busca por pessoas e amigos em diferentes plataformas, além disso, o aplicativo garante a fácil localização e distribuição de conteúdo em qualquer plataforma social, o aumento do número de seguidores de diferentes canais e melhora na conversão. Com suporte para mais de 130 plataformas como Snapchat, Instagram, Twitch, Periscope, a popularidade do Gaddr está crescendo rapidamente.

“O Gaddr permite que as pessoas te encontrem todos os lugares ao mesmo tempo. Fácil de encontrar e ainda mais fácil de seguir “,  explica o CEO do Gaddr, Francisco Andreasson.

Influenciadores digitais, marcas e criadores ao redor do mundo já estão usando o Gaddr. Eles estão em busca de um melhor engajamento com seguidores em todas as redes e através de apenas um link isso pode ser feito. Todos os seguidores podem ter acesso ao conteúdo dos influenciadores digitais independente de ser ou não um usuário do Gaddr.

Através de uma lista de contatos pessoais, o usuário sempre irá receber conteúdo novo e do seu interesse.

“Você não deve perder muito tempo tentando encontrar novas pessoas e amigos online”.’

Francisco, CEO do Gaddr.

O Gaddr possibilita a visualização de bilhões de perfis e geração de conteúdo a todo momento. Pesquisas por tópicos permitem acesso a todos os posts relevantes, de qualquer plataforma. O usuário pode ter acesso ter acesso a tudo que acontece ao redor do mundo de forma simultânea.

Com o crescimento de sua popularidade, o Gaddr está caminhando para se tornar uma grande e essencial plataforma social.

Interessado em saber mais? Cadastre-se e aproveite!

O Gaddr está disponível online e o app pode ser baixado gratuitamente para Smartphones Android e iPhone.