Coworking: um comparativo de preços em SP e suas vantagens

Picture1

Trabalhar em um escritório com pessoas de empresas diferentes pode ser incomum para alguns, mas esse modelo de trabalho está crescendo no país, principalmente em São Paulo. A ideia que nasceu nos Estados Unidos com 3 profissionais de tecnologia que precisavam de um lugar para trabalhar se tornou tendência por aqui.

Os escritórios compartilhados (ou Coworking) são uma ótima opção para profissionais autônomos que trabalham como home office e querem sair do “isolamento” em casa. Também são foco de startups.

Picture2

Os espaços possuem ótima infraestrutura, sendo que cada escritório tem seu diferencial. A maioria conta com:

  • Mobiliário corporativo
  • Lockers individuais
  • Internet (Wi-Fi)
  • Cozinha
  • Salas de Reunião
  • Acesso 24h

É possível optar por escritórios compartilhados, privativos, virtual, sala de reunião ou outras opções, dependendo do coworking escolhido.

Abaixo há um comparativo de preços das salas compartilhadas em alguns dos escritórios localizados em São Paulo.

TABELA DE PREÇOS
Escritório Compartilhado – Mensal
B4i R$ 450 até R$ 850,00
Impact HUB R$ 185 até R$ 1.800
iWork Brooklin R$ 350 até R$ 950
Link2U R$ 305 até R$ 910
MyHub R$ 550 até R$ 1.800
PLUG A partir de R$ 300
Space 242 R$ 600 até R$ 4.500
TMZ HUB R$ 799

Vantagens:

  • Não tem despesas como luz, água, condomínio e internet
  • Não fica preso a um contrato de aluguel
  • Não há investimento em móveis e reforma

Em uma mesma sala é possível encontrar, por exemplo, profissionais de TI, jornalistas, designers, empreendedores, consultores, advogados, publicitários.

A experiência é enriquecedora, pois há troca de ideias com pessoas de outras áreas e consequentemente agrega maior conhecimento.

O Google também resolveu apostar nesse modelo e anunciou a um tempo atrás seu espaço para empreendedores em SP, o Google Campus. Lá, os membros do campus recebem orientação e treinamento de profissionais experientes da comunidade local de startups e do próprio Google.

Picture3

Em São Paulo, a maior quantidade de espaços coworking estão localizados nas regiões de Pinheiros, Jardins e Consolação.

Esses bairros possuem também diversas opções de apartamentos studio. Ideal para profissionais que vivem na correria do dia a dia, moram sozinhos e o melhor, querem trabalhar perto de casa!

Texto feito por: Blog da Lopes

 

27954360576_51872ba2eb_o

Highlights do Dell Women’s Entrepreneur Network 2016

Olá pessoal,

Recupera de 18 horas de vôo, jetlag de 5 horas de diferença e uma enxurrada de informação e novas conexões aqui estou eu pra contar um pouquinho do que foi o DWEN, um evento que já está no seu 8º ano e que tem por objetivo aproximar mulheres empreendedoras em nível global para que seus negócios se acelerem através das conexão! Coisa mais linda né!?

Sempre me falaram muito do evento, mas eu nunca tinha tido a oportunidade de participar e esse ano foi com direito a pitch e África❤

Podia escrever um post gigantesco contando cada detalhes, mas resolvo separar 3 histórias de mulheres incríveis que conheci lá no evento, contar um pouco sobre como foi fazer o pitch em inglês e na frente das mulheres empreendedoras de destaque global e imprensa do mundo inteir0.

Antes de entrar no TOP 3 preciso fazer 1 comentário e mostrar 1 vídeo.

PRIMEIRO COMENTÁRIO: o time Brasil estáva incrível. Era de dar orgulho! Conheci mulheres incríveis, com negócios muito bem sucedidos e corações enormes! Tenho muito orgulho das mulheres empreendedoras do nosso país e vocês também deveriam ter!❤

Quanto ao vídeo, ele foi exibido durante o último painel pelo Aaron Sheriniam, Chief Communication and Marketing Officer da UN Foundation, que er auma figura impar, de um carisma e empatia únicos. Durante sua apresentação sobre o Objetivo 8 (“Promote sustained, inclusive and sustainable economic growth, full and productive employment and decent work for all”) e sua relação com o empreendedorismo. Como empresas com próposito claro tinham o poder de mudar o mundo. Me emocionei muito e acho que vocês também vão:

Bora pro nosso TOP 3 histórias inspiradoras!!!!!!!

Sarah Collin – Wonderbag

Sarah-Collins-and-Wonderbag1

Sarah Collins e sua invenção

Sarah Collins é incrível! Uma mulher muito forte que  tem trabalhado no desenvolvimento social há mais de vinte anos. Ela é Sul Africana e passou a maior parte de sua carreira trabalhando com ecoturismo de base comunitária, um dos projetos que ela fundou é bem bacana, uma ONG chamada Take Back the Future, que treina jovens para tomar posse de seus recursos naturais, reservas de caça e parques e

Desde 2008, a Wonderbag tem sido sua paixão e foco. A bolsa é feita de um material isolante no qual as pessoas podem cozinhar.  Alimentos que já começaram a cozedura podem ser colocados no Wonderbag, que tem propriedades de isolamento e permitem que o alimento termine de cozinhar sem o uso de energia e de maneira “limpa”. O que reduz de forma significativa as emissões de carbono e os gastos relacionados a alimentação. Pensando em populações da África, o impacto é gigante.

Tem um vídeo da própria Sarah contando a história dela e da Wonderbag bem bacana:

Leila Janah – Sama and Laxmi

 

leilamelhor.jpg

Leila com uma das matérias primas da Laxmi

 

Leila Janah é fundadora e CEO da Sama e Laxmi; duas empresas que compartilham uma missão social comum para acabar com a pobreza global, dando trabalho para as pessoas com necessidade.  Ela recebeu um BA da Harvard em Estudos Africanos de Desenvolvimento e vive em San Francisco.

Queria falar um pouquinho mais sobre o Sama Group. No press kit tem todas as infos no detalhes, mas a ideia geral é conseguir empregar pessoas de regiões vulneráveis da África em trabalhos digitais, como organização de dados, tageamento de imagens e outros serviços típicos da nossa era e que não requerem um super investimento em treinamento. Incrível não?

A Leila tem um TEDx bem bacana que você pode ver aqui!

Jane Wurwand – Dermologica

 

o-JANE-WURWAND-facebook.jpg

Ela está loira agora, mas essa foto tá muito maravilhosa!

 

 

A história Dermalogica começa em 1986. Jane Wurwand, na época “terapeuta de pele” no Reino Unido, foi para Los Angeles e reconheceu que a educação continuada de terapia de pele e  corpo era praticamente inexistente nos Estados Unidos. Embora fosse possível encontrar cursos abrangentes e sérios, os estudantes dos EUA entravam na indústria ainda licenciado sob treinada, e pior, sem ser muito respeitado.

Jane decidiu investir então nessa educação vocacional, abrindo uma pequena sala de aula em Marina del Rey, na Califórnia sob o nome de IDI – The International Dermal Institute. Ela começou convidando terapeutas da pele licenciados para obter cursos hands-on em nível de pós-graduação tão crucial para torná-los competitivos no mercado. Hoje, IDI é referência internacional para a pele e terapia corporal com 37 locais em todo o mundo. Um império movido pelo próposito e que foi vendido para a Unilever com um dinheiro impensável. Uma energia sem igual escutar toda essa história dela!!!

Tem um vídeo massa sobre a história dela no Makers: http://www.makers.com/jane-wurwand

DOLPHIN TANK

Vamos a minha participação no evento!!!! Fui ao evento para fazer um pitch sobre a Ponte21 e o Mastertech no Dolphin Tank, que da primeira vez que eu li a explicação não entendi nada, mas quando vi funcionando quase não acreditei no poder que ele pode ter!

A ideia é a seguinte, a audiência e uma banca escolhida a dedo tem o objetivo de te ajudar com feedback e conexões focado em uma dúvida central que deve ser a última parte do seu pitch. Como a audiência era muito selecionada a minha sensação era que eu podia chegar em quem eu quisesse e obter as respostas para qualquer dúvida.

Vou dar um exemplo prático, tem um grande benchmark internacional do Mastertech, que eu já tinha tentado conversar várias vezes no passado e nunca tinha conseguido. Lá tinham pelo menos 3 pessoas que poderiam me apresentar pra elas. Entenderam o poder de aceleração que uma oportunidade como essa pode ter?

Foram 5 pitchs, previamente selecionados em nível mundial, cada um com 3 minutos de pitch e 10 de feedback. E sem exagerar, são 10 minutos que valem por anos! Foi uma oportunidade e tanto.

Olha aí as fotinhos:

27954360576_6ebe2c0da9_z27954361306_1da3fe0590_z (1)27954359456_cd0ceaa29e_z

Não posso terminar sem agradecer a Dell por todo suporte e dedicação. Vocês arrasaram!

Se alguém tiver alguma dúvida específica sobre o evento, coloca aqui nos comentários que eu respondo❤

Mil beijos!

Está declarada a Era do COMO! Nem venham mais me perguntar PORQUÊ!

Acho que as perguntas que eu mais escuto em palestras, eventos e na seção de contato aqui do blog são:

PORQUÊ não temos mais mulheres na tecnologia?

PORQUÊ precisamos de mais mulheres na tecnologia?

PORQUÊ você se dedica tanto pra isso?

Se vocês repararem o que elas e muita outras têm em comum é a primeira palavrinha: PORQUÊ!

Nos últimos tempos, depois de 6 anos de blog e militância na causa eu ando cansada de responder essas perguntas, não porque elas não são importantes, mas porquê elas representam o tamanho de descaso com a causa da diversidade na tecnologia e, por vezes pensei em ser um mal trabalho da minha parte em não ter conseguido escancarrar todas as questões que deixam claras todas as respostas das questões acima.

Em resumo, estava numa fase reflexiva sobre, porque eu já estava a muito tempo pensando e testando COMOS para resolver a questão e a sociedade ainda estava em outro estágio. Nos últimos eventos que eu fui, puxei assunto sobre isso, nas minhas falas, nas minhas perguntas…e não achei que estava tão perto.

Estava do meu lado, mas com tantos PORQUÊS a realidade ficou escondida…depois de um post bombástico sobre a Amazônia e literacia digital por lá eu fui em um evento e tive um dos momentos mais felizes da minha vida.

Pedi um conselho pra Head do Google.org, Jaquelline Fuller sobre como migrar essa discussão e fazer as pessoas e empresas partirem pro COMO  e parar de parar (estanho, mas vocês entenderam, né!?) no PORQUÊ!

Ela deu uma resposta superficial e bem mais simplista do que eu esperava, mas o que eu quero contar foi o que rolou depois….

A Débora do Mappa.cc pegou o microfone e contou como nossas vidas se cruzaram e mudaram o rumo uma da outra. A Débora me chamou pra conversar sobre como trabalhar essa questão no Mappa (entrem e entendam o projeto, é maravilhoso!), ficamos um bom tempo conversando sobre COMO e nem tocamos no PORQUÊ já que estava óbvio. Chegamos no seguinte plano de ação: o Mappa ia anúnciar uma vaga aqui no blog, na sessão de oportunidades e me prometeu que cuidaria bem delas! Aliás, todas as vagas que estão aqui, só estão aqui porque fazem isso!❤

Ela contou que recebeu mais de 100 emails e o mais legal, que aprendeu com cada uma delas e viu a realidade do mundo aí fora, o PORQUÊ ficou ainda mais claro no processo de achar o COMO perfeito, sabe!?

Meu coração quase explodiu no peito e acho que ali eu decidi que a Era do COMO estava iniciada! Vamos tentar, errar, melhorar….mas vamos colocar a mão na massa e trabalhar pela transformação de maneira concreta!

Se você acha que acabou, conversamos sobre tudo isso assim que a palestra acabou e pedi um vídeo! Com todo amor de quem entendeu porquê o COMO é importante elas gravaram o vídeo mais lindo do mundo e esse vai ser pra sempre o marco inicial da ERA DO COMO no Mulheres na Computação, na minha vida, na delas e espero que na de todos!

Se vocês está comigo nessa e é alguém que acredita na diversidade da tecnologia, comenta, curti, compartilha e siga o blog e o face!

Se você é uma empresa que se sente preparada pra entrar na Era do COMO, entre em contato  também e me manda a sua vaga que eu vou olhar com todo carinho pessoalmente e divulgar por aqui!

Mil beijos realizados!