Apple lança programa de desenvolvimento de aplicativos para apoiar mulheres empresárias

Novo Acampamento Empreendedor Oferece Laboratório de Tecnologia Imersiva e Mais para Desenvolvedores de Aplicativos Femininos que são Fundadores e Empreendedores

CUPERTINO, Califórnia – 26 de novembro de 2018 – A Apple anunciou hoje o lançamento do novo Entrepreneur Camp, uma iniciativa inédita destinada a criar novas oportunidades para negócios dirigidos por aplicativos pertencentes ou liderados por mulheres através de um intenso laboratório de tecnologia, suporte especializado e orientação contínua.

Para ser elegível para o programa, a aplicação de empresas orientadas a aplicativos deve ser fundada, co-fundada ou liderada por mulheres e ter pelo menos uma mulher na equipe de desenvolvimento – bem como um aplicativo ou protótipo funcional e o desejo de aproveitar as tecnologias da Apple para se beneficiar sua missão. A sessão piloto do programa, a partir de janeiro de 2019, está agora aceitando inscrições.

“A Apple está empenhada em ajudar mais mulheres a assumir papéis de liderança em todo o setor de tecnologia e além”, disse Tim Cook, CEO da Apple. “Estamos orgulhosos de ajudar a cultivar a liderança feminina na comunidade de desenvolvimento de aplicativos com o novo Apple Entrepreneur Camp e estamos inspirados tanto pelo incrível trabalho que já está acontecendo quanto pelo que com certeza virá.”

“Este é um programa que importa”, disse Gina Bianchini, investidora e fundadora e CEO da Mighty Networks. “O novo Empreendedor Camp diz que a Apple quer investir seus conhecimentos em uma gama diferente, mais rica e mais diversificada de desenvolvedores de aplicativos e especialistas em produtos de uma forma significativa, e isso é um grande negócio para a indústria”.

O Empreendedor Camp realizará sessões trimestralmente, com uma coorte de 20 empresas de aplicativos aceitas para cada rodada. A sessão piloto incluirá 10 empresas.

Uma vez aceito, cada empresa terá a oportunidade de enviar três participantes para Cupertino, na Califórnia, para um programa imersivo de duas semanas no campus da Apple, incluindo assistência individual em nível de código com engenheiros da Apple, sessões sobre design, tecnologia e App Store. ® marketing, bem como orientação e suporte contínuos de um representante da Apple Developer. Cada empresa participante também receberá dois ingressos para a WWDC do ano seguinte.

As empreendedoras femininas continuam enfrentando desafios para obter financiamento, treinamento e apoio no cenário de capital de risco – recebendo US $ 1,9 bilhão em financiamento em 2017, em comparação com US $ 83,1 bilhões para homens. Apesar desses obstáculos, as empresas de propriedade das mulheres estão crescendo mais de duas vezes mais rápido do que a média nacional dos EUA, com startups de tecnologia lideradas por mulheres apresentando um retorno do investimento 35% maior do que as startups de tecnologia lideradas por homens.

Para mais informações sobre o Apple Entrepreneur Camp ou para se inscrever, visite developer.apple.com/entrepeneur-camp.

A Apple revolucionou a tecnologia pessoal com a introdução do Macintosh em 1984. Hoje, a Apple lidera o mundo em inovação com iPhone, iPad, Mac, Apple Watch e Apple TV. As quatro plataformas de software da Apple – iOS, macOS, watchOS e tvOS – oferecem experiências ininterruptas em todos os dispositivos da Apple e capacitam as pessoas com serviços inovadores, incluindo App Store, Apple Music, Apple Pay e iCloud. Os mais de 100.000 funcionários da Apple dedicam-se a produzir os melhores produtos do mundo e a deixar o mundo melhor do que o encontramos.

Histórias de Ninar para Garotas Rebeldes

Por Camila Achutti, em B9.

Quando criança, Ada Lovelace amava máquinas. Ela estudou pássaros e desenhou esboços tentando construir sua própria máquina voadora. Ela colocou todas as suas anotações em um pequeno livro que chamou de “Flyology”.

Quando Ada foi a um baile, ela não encontrou um príncipe para se casar. Em vez disso, ela encontrou um velho matemático, Charles Babbage, que se tornou seu amigo ao longo da vida. Com Babbage, Ada escreveu a primeira linguagem de programação da história.

Essa história inspiradora é lida pela empreendedora Camila Achutti.

5  iniciativas que mostram que lugar de mulher é na tecnologia

Por Andréia Silveira, colaboradora do site SeguroViagem.org

Muitas mulheres ainda continuam na luta para ter o direito de igualdade, mas pode-se dizer que daqui a pouco elas irão liderar o mundo. Coisas que antes eram incomuns de serem feitas por mulheres, hoje em dia elas estão dominando e desempenhando um papel melhor do que muitos homens. Com isso, estão tomando conta do mercado de trabalho.

Um dos ramos que vem se abrangendo entre as mulheres é o da tecnologia que, segundo uma pesquisa feita pelo Linkedin no ano passado, mostra que a lideranças das mulheres aumentou cerca de 18% do ano de 2008 até o ano 2016.

Mas infelizmente esse número não é o suficiente para acabar com a desigualdade e fazer com que a mulher seja reconhecida nesse ramo. É por isso que algumas tomaram a iniciativa de incentivar outras a ingressar neste mercado de tecnologia sem medo da exclusão e mostrando que essa pode ser uma área para todos.

Iniciativas que mostram que lugar de mulher é na tecnologia

  1. Criando games

Uma pesquisa no Brasil feita em 2017 revelou que as mulheres são as que mais jogam vídeo game, sendo 56,6% dos jogadores do sexo feminino. Aproveitando o embalo, Ariane Parra desenvolveu o WomenUp Games, uma organização que ajuda na inclusão de mulheres no universo dos games através de desenvolvimentos de games, palestras, campeonatos femininos e eventos corporativos.

2.Programação para mulheres

Por sentir muita dificuldade de ingressar na área de programação, foram criadas diversas iniciativas para que as mulheres pudessem ter acesso ao curso. Entre essas iniciativas, o PrograMaria é uma das que oferece eventos, oficinas e cursos de formação técnica voltado para as mulheres. Esse projeto contribuiu com a formação de cerca de 90 mulheres.

  1. Empresas femininas

Existem hoje no mercado da tecnologia empresas técnicas com equipes formadas apenas por mulheres capacitadas que empenham as mesmas funções que os homens na mesma área. Desde o cargo mais elevado até o cargo mais baixo, apenas mulheres compõem a equipe, seja em empresas de games, manutenção de computadores, máquinas ou até mesmo manutenção de equipamentos em fábricas.

Isso faz com que as mulheres percam o medo e o receio de se ingressar nesse mercado, quebrandoo tabu de que tecnologia é somente para homens. Até porque isso nunca foi verdade, já que na primeira turma de computação do IME no ano de 1974, 70% dos alunos eram do sexo feminino.

  1. Aplicativos para celular

Embora as mulheres sejam a minoria na área da tecnologia, algumas já criaram apps de sucesso. Entre os aplicativos que foram desenvolvidos por elas, um dos que estão entre os mais listados pelo Google Play é o CastBox.

Esse aplicativo foi criado por Wang Xiaoyu que sempre curtiu ouvir música em sua viagem ao trabalho, passeios, entre outros. Porém, ela sentiu falta de ter um app que pudesse reunir todas as produções, de forma personalizada e compatível com todos os idiomas.

Ao perceber essa necessidade de poder ouvir música na viagem, ela desenvolveu o CastBox. Esse app conseguiu alcançar mais de 13 milhões de ouvintes e hoje a plataforma conta com podcasts em 70 idiomas.

  1. Blog redes sociais

Uma estudante da Tecnologia da Computação resolveu fazer um blog quando se deu conta de que não aguentava mais os preconceitos que sofria nas salas de aulas da faculdade por ser a única mulher da turma. Além de ter que ouvir comentários do tipo “Ela está de TPM” ou “Só tirou nota boa porque é a única mulher aqui”, Camila sofria com total exclusão dos trabalhos em grupo.

Assim que começou a desabafar em seu blog, logo encontrou outras mulheres que estavam passando por situações parecidas. Com isso, Camila chegou a receber um convite de formatura no qual se encontrava escrito “Sem o seu blog eu não teria conseguido me formar na faculdade”. O seu blog fez com que muitas mulheres não desistem de seus empregos e estudos por conta do preconceito.

Outras mulheres utilizam também redes sociais para se manifestarem contra esse desrespeito e para encorajar todas as mulheres a superar essa situação sem se diminuir e muito menos desistir.