7 diferenças do desenvolvimento de apps

Desenvolver aplicativos é um bom negócio. A loja da Apple, por exemplo, já gerou mais de US$ 130 bilhões de receita à empresa. E de acordo com a própria Apple, mais de US$ 70 bilhões dessa receita voltaram para os criadores dos aplicativos. A loja do Google tem um potencial comparável: embora ela gere menos receita por celular do que a da empresa da maçã, mais de 76% dos celulares ativos no mundo usam esse sistema – no Brasil, mais de 84%.

Ou seja: há um imenso mercado no mundo de aplicativos que desenvolvedores podem explorar. Celulares estão nos bolsos de uma fração considerável da população mundial, e criar apps para eles é uma maneira de dar à sua criatividade a chance de chegar a todos esses bolsos – e a todas essas pessoas.

Mas para isso, é necessário conhecer bem as peculiaridades de cada sistema. Levar um aplicativo do Android para o iOS ou vice-versa é uma tarefa que exige alguma dedicação. Não se trata apenas do fato de que cada um dos sistemas usa linguagens diferentes: os sistemas operacionais de celulares do Google e da Apple se diferenciaram bastante ao longo do tempo. Por isso, o usuário de cada um tem necessidades e expectativas distintas.

Em outras palavras, não se trata apenas de “traduzir” o código do aplicativo de uma linguagem para outra. Os dois sistemas têm entre si diferenças fundamentais de design que exigem, em alguns casos, que os criadores de aplicativos repensem alguns aspectos basilares do desenho de seus apps para que eles sejam adequados às duas plataformas.

Pode parecer uma preocupação excessiva. Afinal, se o Android é o sistema operacional dominante, por que não criar aplicativos dedicados a ele? Um dos motivos para isso é o fato de que, mesmo com muito menos usuários, a loja de aplicativos da Apple ainda gera mais dinheiro do que a do Google. Ou seja: há menos gente lá, mas quem está lá tem maior probabilidade de investir na sua ideia.

E em alguns casos, a escala do seu aplicativo pode ser tão importante quanto a receita que ele vai gerar num primeiro momento. Por exemplo: imagine se a Uber tivesse decidido lançar seu aplicativo apenas para iOS, já que são os usuários de lá que têm maior probabilidade de gastar dinheiro com o app. Isso teria deixado de fora não apenas muitos usuários do Android, como também muitos motoristas que não usam celulars da Apple – e tudo isso seria detrimental ao serviço que a empresa presta.

Dessa forma, ainda que você só tenha interesse em desenvolver para uma plataforma, é muito importante ao menos conhecer as peculiaridades de cada uma. Até porque você provavelmente precisará dialogar com um desenvolvedor de outra área em algum momento de sua carreira, e nessa hora um pouquinho de conhecimento faz toda a diferença. E, é claro, porque o cenário sempre pode mudar, e é bom estar preparado: o Windows Phone, que era um sistema operacional relevante há alguns anos por exemplo, hoje praticamente não existe mais.

Por isso, vale a pena conferir esse infográfico que o pessoal do curso de desenvolvimento Android online da Udacity preparou elencando as principais diferenças entre o Android e a iOS para quem quer criar aplicativos mobile. Se você ainda não decidiu para qual sistema criar o seu app, ele pode ajudar nessa escolha. E se você estiver pensando em levar sua criação para o “outro lado da cerca”, ele vai te ajudar a saber em que aspectos do app prestar atenção na hora de fazer essa transição. Confira:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.