Novidade da vez: BIOCHIPS.

Inaugurando 2011…

Os biochips usam canais microscópicos, escavados em plástico ou vidro, para realizar análises biológicas ou químicas com uma precisão e uma velocidade que não são possíveis com os equipamentos tradicionais. Depois desse coméntário completamente técnico e difícil de ser compreendido pela maioria das pessoas (inclusive eu) queria falar um pouquinho mais sobre esses novos dispositivos…

Eles podem ser usados para realizar exames médicos, testar novos medicamentos, fazer análises de alimentos, monitoramento ambiental e até servirem como biofábricas. Já existem biochips capazes até de detectar o HIV, sequenciar DNA, detectar tipo e gravidade do câncer e simular o metabolismo de medicamentos no corpo humano tudo isso em segundos, apenas para citar alguns exemplos.

Para possibilitar tudo isso eles precisam ser conectados a computadores, previamente  preparados para receber as medições, analisá-las, compará-las com padrões e mostrar os resultados na tela, enviá-los para uma impressora ou disponibilizar as informações pela internet. Apesar de tantas tarefas, com alguns programinhas, computadores nem tão “potentes” tiram tudo isso de letra! Mesmo os telefones celulares já têm capacidade suficiente para processar as medições feitas pelos biochips, podendo ainda transmitir os dados para um laboratório central, abrindo a possibilidade de atendimento emergencial em áreas remotas. Bom, né!?  Esses dispositivos tão difundidos pelo mundo, já podem, em conjunto com um biochip adequado e sua câmera funcionar como microscópios.

Um
Este biochip capaz de fazer mais de mil reações químicas simultâneas é um bom exemplo da dificuldade de interconexão dos microdispositivos com o mundo macro. [Imagem: UCLA]

Desenvolver interfaces específicas para cada dispositivo criado é uma necessidade para que os bons resultados nos laboratórios se transformem em soluções comerciais disponíveis para a população. Visando essa comercialização, engenheiros da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, desenvolveram uma interface que promete facilitar o desenvolvimento desses dispositivos médicos ultracompactos. Eles acreditam que a interface tem potencial para se tornar uma espécie de USB dos microchips.

Os conectores, batizados pelos cientistas de Fit-to-Flow,  podem ser integrados e serem controlados pelo mesmo padrão de conexão, usado em computadores ( PCI ), sendo acionado via computador ou smartphone sempre que for necessário. Com este esquema padrão de conexão, biochips projetados para executar testes diferentes, como analisar amostras de ar, água ou de sangue, poderão ser plugados no mesmo dispositivo de manipulação de fluidos em grande escala e sendo controlados por um equipamento eletrônico padrão, seja um computador, um telefone celular ou qualquer equipamento futuro que incorpore o sistema de comunicação. Belíssima notícia, não!? Acho que nem vai demorar tanto assim para chegar as nossas mãos!

beijos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s