Linux: o que é e como funciona

Por Viviane Soares: Analista de Treinamento na HostGator

 

Quando falamos em Sistema Operacional, a primeira imagem que surge na cabeça das pessoas é Windows, da Microsoft e Mac OS, da Apple. Porém, existem diferentes tipos de sistemas operacionais que também possibilitam a execução de programas em um computador e outros dispositivos e podem ser perfeitos para o que você procura.

S.O, ou se preferir, Sistema Operacional, é o gerenciador de funcionamento do seu computador. É ele quem faz a comunicação entre o hardware e o software, gerando assim as ações do seu computador.  Quando você digita no seu teclado e a informação aparece em sua tela, é o Sistema Operacional que está intermediando esta ação. Para simplificar, é ele que gere o funcionamento da sua máquina.

Existem muitos tipos de S.O. e eles são utilizados de acordo com necessidades específicas, com o tipo de hardware e/ou com a finalidade do uso.

O Windows se tornou o sistema operacional para computadores mais popular do mundo, mas desta vez vamos falar sobre as características do Linux: o mais querido no quesito adaptabilidade.

 

S.O. Linux

Quando falamos que o S.O. é Linux, já começamos cometendo um equívoco, pois na verdade, o que define um S.O. é o conjunto GNU/Linux.

Por ser o sistema Linux mais tradicional, este debate é comum nas redes. Muitas pessoas acabam utilizando o nome Linux de maneira mais ampla e não só para se referir aos sistemas GNU/Linux, embora ele também faça parte de outros sistemas como Android, LG web OS, sistemas Linux embutido entre outros.

Basicamente, Linux é o núcleo do sistema e todos os softwares que o acompanham fazem parte do projeto GNU. Se você quiser saber mais informações sobre GNU, este conteúdo explica parte da história da rede.

 

Como tudo começou

A ideia da comunidade GNU, liderada por Richard Stallman, era oferecer um software livre para que todos tivessem acesso sem custo e que ao mesmo tempo oferecesse grande adaptabilidade.

Durante alguns anos, muitas pessoas trabalharam no desenvolvimento de softwares e aplicações seguindo esta filosofia de liberdade. E quando citamos liberdade, não é só pelo valor, mas sim por permitir a abertura do código fonte, possibilitando o estudo do código, modificações e alimentação da troca de conhecimento dentro da comunidade.

Em 1991, Linus Torvalds divulgou o que seria o Kernel: o coração do sistema, responsável pela comunicação entre os softwares e o hardware. Depois de unificado o GNU e o Linux, a ideia de S.O. estava completa.

Ok, entendemos um pouco da origem do sistema e sua filosofia, mas você deve estar se perguntando: onde isto é utilizado? A melhor notícia é: em tudo! Lembra que falamos sobre a filosofia de liberdade? Graças a ela, hoje o sistema já possui diversas distribuições.

 

Distribuições no S.O.

Como as modificações são livres, as mudanças começaram a acontecer: muitas comunidades virtuais foram se agrupando para alimentar o sistema de acordo com suas preferências e nos softwares mais utilizados.

Assim como os sabores de sorvete, as distribuições começaram a se difundir e pessoas que gostavam mais de trabalhar com certos programas e funcionalidades, começaram a agrupar e aprimorar o desenvolvimento desses softwares. Desta maneira, cada distribuição possui a mesma base inicial, um Kernel e um conjunto de softwares GNU, mas com experiências agrupadas de maneiras diferentes.

Devido a isso, existem versões que não possuem interface gráfica e outras que possuem interface dinâmica e intuitiva, com conjuntos de programas e aplicações para programação e desenvolvimento, para gerenciamento de multiusuários, dentre outros. Ubuntu, Debian, openSUSE, Elementary OS são algumas que você já deve ter ouvido falar.

Com toda essa versatilidade, os sistemas GNU/Linux continuam ganhando um leque de aplicações, apesar de sempre ser necessário lembrar que há distribuições indicadas para cada tipo de uso.

 

Entendendo o S.O. GNU/Linux

Os sistemas operacionais GNU/Linux são conhecidos como os mais seguros, pois contam com um sistema de gerenciamento de arquivos FHS (padrão para sistema de arquivos hierárquico), além de gerenciamento de usuários e permissões.

Tudo isso faz com que a estrutura mantenha a sua integridade, já que somente o usuário root tem privilégio para acessá-la. O root é o gerenciador geral do sistema, então o mais indicado é nunca usá-lo como usuário e sim criar um usuário comum para o uso diário.

Também devemos considerar que, devido a grande existência de comunidades de desenvolvedores e entusiastas, as atualizações são constantes e trazem melhorias contínuas. Sempre que é descoberta alguma vulnerabilidade, a mesma é rapidamente tratada e corrigida dentro das comunidades.

 

Quem pode utilizar o GNU/Linux?

A resposta é simples: toda internet! Basicamente, quase todos os sites que você acessa estão hospedados em servidores GNU/Linux e o seu provedor de internet também o utiliza. Na sua faculdade é bem provável que os computadores tenham GNU/Linux como parte do sistema e se o seu celular for Android, ele também possui em sua base o Kernel.

Isso é só uma breve amostra de todas as funcionalidades disponíveis, mas existem muitas outras que vale a pena pesquisar.  Espero ter te ajudado e despertado seu interesse pelo assunto.

Saiba que a área de atuação com plataformas GNU/Linux é muito vasta, portanto não deixe de procurar conhecimento e buscar aprimorá-lo sempre. Desta maneira, você poderá ter um diferencial que irá agregar muito valor a sua carreira.

Até a próxima!

Vozes Femininas – Valerie Aurora (Ada Initiative)

Agora acabou meu buffer de entrevistas com super mulheres da computação! : (

Mas para fechar com chave de ouro aqui está a entrevista com a Valerie Aurora que aconteceu agora no FISL14, uma das grandes ativistas da causa das mulheres na technologia, principalmente open source. Ela é conhecida principalmente por ter fundado a Ada Initiative, uma ong que luta pelo crescimento da participação feminina no movimento de software e cultura livre. Ela também é reconhecida pela participação na comunidade do Linux advogando prinicpalmente pelo desenvolvimento de um novo sistema de arquivos. Em 2012, ela e a co-fundadora da Ada Initiative, Mary Gardiner, foram consideradas duas das pessoas mais influentes da área de segunrança da informação pela SC Magazine.

Fiz nossas 3 perguntas básicas e passei vergonha falando inglês! hahahaha

Transcrevi e traduzi as perguntas para o português para que todo mundo pudesse entender : )

1. Como você descobriu a tecnologia?

Valeria Aurora: Eu tenho uma história diferente, minha mãe era programadora e eu me lembro de com três anos de idade brincar com cartões perfurados, que no universo dela eram usado para programar. Nós sempre tivemos computadores em casa e nossa mãe programava com a gente  e jogava jogos conosco. Aquilo me fez pensar que computacão era coisa de mulher. Mas o que me fez escolher computação para a minha vida mesmo, foi quando eu fui para uma conferencia de segurança chamada DefCon quando eu tinha 17 anos com a minha mãe e minha irmã e eu percebi finalmente que aquelas pessoas faziam coisas que elas realmente gostavam no computador, elas se vestiam de uma maneira que eu achei muito legal, jaqueta de couro preta, sombras e elas ganhavam muito dinheiro com isso! Parecia perfeito. O que havia de errado?

2. Porque você acha que temos tão poucas mulheres na área?

Eu acredito que isso acontece em qualquer profissão com grande status ou poder. Na nossa cultura, homens fazem sucesso. Basicamente, tudo que é legal e você quer fazer, os homens entram e acabam por dominar, como programação e ciência da computação. Antes era uma carreira de mulheres, quando começaram a perceber que era uma carreira poderosa, eles começaram a entrar e passaram as mulheres para trás de diversas maneiras. Existe até um livro chamado de Computer Boys Take Over, que conta como programação se tornou o que é hoje, por exemplo, como cursos superiores de ciências de computação podem ser totalmente irrelevantes, você pode hoje deixar a faculdade sem saber  programar e trata também sobre essa mudança de status da programação de uma coisa que as mulheres dominavam para o que é hoje. Por isso acho tão importante que mais mulheres entrem na carreira, pois é uma carreira poderosa.

3. O que podemos fazer a respeito? Como trazer mais mulheres?

As coisas específicas que eu trabalho hoje são com a sensibilização e fim do assédio na área, aumentando a confiancça das mulheres, pois não é uma carreira fácil por diversas razões. Tem muitas pessoas que podem pensar, ingênuamente, que mulheres simplesmente não estão interessadas, pela genética, de não serem programadoras. A única razão que eu vejo é que elas se quer têm conhecimento sobre esse mundo e todas as suas maravilhas, elas são desde a educação infantil até o colegial formadas como garotinhas. E mesmo depois de escolher a carreira ainda temos que enfrentar várias coisas terríveis, como assédio. Quem sabe trazendo isso para a cabeça das pessoas,  o que é díficil pois profissionais da área se acham justiceiros sociais, são mais liberais, de esquerda, progressistas. Você vai lá e mostras: esse é o sexismo que está presente na indústria e essa não é a imagem que queremos para ela.
Eu penso que a computação é muito poderosa pois temos a internet e mostrando o sexismo na área podemos afetar toda a nossa cultura.

É isso pessoal, espero que gostem e que ouçam a própria Valerie falando e não minha tradução : )

E queria também compartilhar com vocês o presente que ela me deu no final da entrevista. Pensa na emoção da garota aqui!? hahaha

2013-07-05 16

Siiim, um pingente lindo da Ada Lovelace que vocês já conhecem aqui do blog certo!? Não é lindo! Vou confessar que fiquei emocionada!

beijos!

Novidade: LOJA DO BLOG!

Pensando em fazer vocês (literalmente) vestirem a camisa do blog surgiu uma ideia: Porque não fazer uma loja do blog? E camiseta todo mundo usa e adora certo?

Aí comecei a fazer possíveis estampas, me empolguei e quando vi já tinha feito várias e já estava com outras tantas na cabeça…resolvi colocar a mão na massa e montar a lojinha! Queria muito ue o preço fosse o mais acessível possível, para isso pensei em eu mesma me encarregar de encomendar, cobrar, fazer, postar no correio…mas aí vi que seria impossível fazer isso, as matérias da faculdade, o estágio, a iniciação científica e respirar…então parti na caçada pela melhor solução.

Foi aí que olhando outros blogs, pesquisando na internet que descobri o Vitrinepix, um site que simplesmente fazia tudo pra mim! : )

A única coisa é que eu tenho que aceitar o preço deles, o que eu posso fazer é tirar minha comissão, deixá-la a mais baixa possível e foi isso que eu fiz! : )

Montei a loja e está aí…espero que vocês gostem!

http://www.vitrinepix.com/mulheresnacomputacao

Qualquer sugestão, reclamação, comentário…FAÇAM! Fiz isso pra vocês!

Eu já tenho a minha! O pedido número 1 é meu…

beijos!

 

PS.: Tem o link da loja no menu principal do blog!