Cunhantã Digital: movimento busca aumentar participação das mulheres na área de exatas

Dos mais de 580 mil profissionais de TI que atuam no Brasil, apenas 20% são mulheres. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Na região Norte, estima-se que os números sejam ainda menores, de acordo com a professora Tanara Lauschner, do Instituto de Computação da Ufam.

Para mudar esse quadro e mostrar que as mulheres podem ter sucesso na área de tecnologia da informação, um movimento chamado meninas digitais foi criado há cinco anos.  Na versão amazonense, o movimento foi batizado de cunhantã digital e foi apresentado hoje dentro do Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software, no Studio 5

Centro de Convenções.

O baixo percentual se estende mundo afora. Nos Estados Unidos, o último censo estima que elas ocupam apenas 25% dos empregos em TI. No ano passado, o Google revelou que apenas 30% de todos os seus colaboradores são do sexo feminino.

A professora Claudia Capelli, da UNIRIO e ex-executiva de  Multinacionais de TI disse que há 30 anos, quando ingressou na faculdade, o preconceito era maior mas ele ainda existe.

“O número de mulheres em TI vem aumentando a duríssimas penas. A competição com os homens é muito grande”, afirma a professora da PUC-Rio, Karin Breitman.

Para Rosiane de Freitas, professora da Ufam, a escolha pela carreira profissional é influenciada ainda na infância. “Enquanto vemos meninas sendo estimuladas para brincar de boneca, casinha, os meninos brincam com jogos de guerra e de tecnologia. Daí elas acabem sendo direcionadas para as áreas de cuidados, como humanas e saúde e eles para as exatas.

A senadora Vanessa Grazziotin, procuradora da Mulher no Senado, ainda há dificuldade para a sociedade perceber que há diferenças no acesso quando se fala em homens e mulheres. “Não basta querer. O acesso precisa ser o mesmo para ambos. Na prática, não é isso o que acontece. As mulheres ainda ganham 27% a menos que os homens mesmo ocupando o mesmo cargo”, revelou.

CUNHANTÃ DIGITAL

cunhantã-700x478

O Cunhantã Digital está na sua primeira edição e busca estimular a maior participação das mulheres da região amazônica em áreas de ciência&tecnologia, promover a interação entre mulheres profissionais e meninas em formação, bem como estimular o ingresso de mulheres em cursos de graduação e carreiras de tais áreas.

É um evento impulsionado pelo Women in Information Technology (WIT), evento satélite do Congresso da Sociedade Brasileira de Computação (CSBC), pelo projeto Meninas Digitais, também da SBC, voltado para meninas do ensino médio, e pelo projeto SciTechGirls do Instituto de Computação da Universidade Federal do Amazonas, voltado para o desenvolvimento de aplicativos e participação em competições de programação científicas e tecnológicas.

O Novo Canal Girls In Tech : )

Fico muito feliz em compartilhar com vocês o lançamento do canal Girls in Tech São Paulo, uma ideia que já nasceu de um sucesso. O canal é um projeto que foi um dos cinco vencedores do Prêmio Mulheres TECH em SAMPA 2015. Para quem não conhece, a Girls In Tech é uma organização internacional sem fins lucrativos, cujo principal objetivo é empoderar e influenciar mulheres da área de tecnologia.

O Prêmio Mulheres TECH em SAMPA apoia financeiramente, por meio de subsídio, atividades que estimulem o empreendedorismo digital entre as mulheres, a atuação de mulheres na área de tecnologia e o compartilhamento de experiências entre mulheres empreendedoras em negócios de base tecnológica, com o objetivo de aumentar a participação feminina no ecossistema de startups da cidade de São Paulo.

A ideia do novo canal Girls In Tech é de criar um veículo de mídia focado em tecnologia, inovação e empreendedorismo mostrando a participação feminina neste universo, que ainda é muito pequena perto do que poderia ser. No entanto, a premissa é abordar assuntos de interesse de toda a comunidade empreendedora da área de tecnologia, estudantes que querem conhecer um pouco mais sobre startups e também carreiras de sucesso de mulheres na área de tecnologia.

Os vídeos contarão com entrevistas com mulheres inspiradoras, tutoriais, apresentações de pitch sobre startups e bate-papos sobre assuntos relacionados. Embora a maior parte do público do canal esteja envolvida com tecnologia, uma das finalidades do canal é desmistificar o tema, mostrando  que mesmo quem não é formado em tecnologia pode empreender usando ferramentas de tecnologia para alavancar, melhorar a comunicação e escalar sua empresa, dentre outras possibilidades.

O primeiro vídeo já está no ar, e a primeira entrevista também. A entrevistada é a Nathalie Trutmann, diretora de inovação da FIAP (Faculdade de Informática e Administração Paulista), e ela fala sobre cultura empreendedora e inovação em grandes empresas e startups.

Assista abaixo e inscreva-se no canal para ficar por dentro de todas as novidades.

PS.: Segredinho…já já vai ter o vídeo com a Camila Achutti! Nossa fundadora fofinha!

Millenials do Prêmio Cláudia

O que você está fazendo agora? Nesse momento! Você realmente queria estar fazendo isso? Se a resposta for “Não, mas é que eu tô no trabalho agora!” BAAAAAM! Essa resposta está errada!

Talvez seja nossa mentalidade digital, líquida e coletiva que esteja afetando os rumos do mundo. Afinal eu não estou sozinha nessa. Somos mais de 2.3 bilhões. Somos os millenials, os geração Y, somos seus novos consumidores, seus novos empregados, seus novos parceiros de negócio, somos o futuro! Me parece importante tentar entender essa nossa geração…

Somos o oposto dos baby boomers e achamos a geração X contraditória. Hoje a jornada é diferente! É muito mais importante curtir o caminho que chegar ao destino final. É muito mais importante curtir sua jornada tentando fazer sua startup decolar e falir no final do que ter um plano de carreira para só em 30 anos chegar no topo de uma multinacional. Para alguns o nome disso é inconsequência, insubordinação, impaciência. Para nós millenialos o nome disso é propósito, revolução, inovação!

Acho que é por isso que sabemos reconhecer novas oportunidades, modelos de negócio inovadores e profissões que nunca ninguém imaginou! É a nossa velocidade de conexão que dita o nosso ritmo de trabalho e não estar num escritório arrumada as 6 da manhã só porque é preciso bater cartão. E ser avesso a esse modus operandi não quer dizer que trabalhamos menos ou mal…cansamos de ficar no escritório até de madruga, levantar com o sol, mas tudo isso quando somos desafiados, quando sabemos que vamos aprender e sair daquele dia de trabalho com muito mais bagagem do que entramos!

Economia criativa, profissões inéditas, o estouro do empreendedorismo e a nova força coletiva estão dando contornos de um cenário inédito, imprevisível e maravilhoso. O longo prazo existe, mas queremos começar a gerar impacto amanhã…AGORA!

É tudo uma troca e é por isso que idade, hierarquia e processo engessados perdem o sentido para nós. O “comprometimento” profissional para nós deixou de ser uma convenção social. Ele é natural para com as experiências que realmente valem a pena! Meu trabalho e minha vida pessoal são quase a mesma coisa. Eu posso trabalhar de casa e com horário flexível porque meu trabalho vai comigo para onde eu quiser.

Aprender algo novo todo dia é nosso combustível. Precisamos de uma dose todo dia! E errar é divertido. Faz parte! Entendemos que faz parte do processo, nunca ninguém esteve ali e isso é o mágico da coisa.

E de onde eu tirei toda essa inspiração? Do prêmio Cláudia! hahahahah

Fui indicada e quase morri do coração e justamente na categoria Revelação (a dos millenials!hahahah). Mas não foi por isso que comecei a escrever. Li todas as histórias e vi que ali tinha propósito. Tinha paixão! Tinham 3 mulheres millenials…

Quem ficou curios@ para ler as histórias aí está: Prêmio Cláudia