Technovation Challenge: encorajando as futuras mulheres a programar!

“Através de aplicativos móveis desenvolvidos no Technovation Challenge, A Iridescent (organização sem fins lucrativos) atingiu milhares de meninas nos Estados Unidos. Agora eles querem atingir todo o mundo.”

Hoje o post é sobre uma iniciativa que chegou até mim algumas semanas atrás e merece ser conhecida por todos…e eu não poderia deixar de falar sobre ela pra vocês, afinal ela tem tudo a ver com a gente, e isso vocês já devem ter percebido só pela primeira frase.

Como tudo comecou…

Tara Chklovski cresceu na Índia e disse que lá meninas e meninos foram igualmente encorajadas a estudar engenharia e ciências. Sim!!! É isso mesmo que você ouviu. Então, quando ela foi para os EUA  com seus vinte e poucos anos, ela se surpreendeu ao ver as mulheres se afastando de carreiras em tecnologia.

“Fiquei impressionado pela forma como, em um país de primeiro mundo, tem mulheres que não se vêem como inventores e solucionadores de problemas”, disse ela. “As mulheres não vêem a ciência e a engenharia  como campos acessíveis a elas.”

Chklovski tinha planejado prosseguir o doutorado em engenharia aeroespacial e depois trabalhar para uma companhia de aviação. Mas, ao longo do caminho, ela decidiu mudar de direção e iniciar o Iridescent, uma organização sem fins lucrativos, com a missão de levar a STEM (ciência, tecnologia, engenharia e matemática) para os colegiais e incentivar mulheres engenheiras, cientistas e de outros cargos da tecnologia a serem mentoras.

E agora que o programa está ganhando força em os EUA, ela está ampliando seu escopo para países ao redor do mundo. Vem pro Brasil lalala!!! Vem pro Brasil lalala!!! : )

Fazer grandes aulas on-line e Criar

Através do  Technovation Challenge, meninas de todo Estados Unidos participam de um programa de desenvolvimento de aplicativos móveis de 12 semanas, que inclui a participação de lideranças femininas da tecnologia como a CEO do Yahoo, Marissa Mayer e Cristal Hutter, CEO da Edmodo,  CEO. As participantes reúnem-se com sua equipe e um professor orientador ou local a cada semana pessoalmente, e seguem as instruções on-line através P2PU, um projeto de educação on-line aberto.

“[O programa] É um híbrido entre meetups e Coursera”, disse Chklovski.

Este ano, por exemplo, o programa desafiou mais de 100 equipes de meninas a criar um aplicativo móvel que resolve um problema em sua comunidade. Algumas das finalistas mostrarão suas ideias para juízes do Google, Dropbox, o Office of Naval Research e outras organizações STEM. A equipe vencedora ganhará US $ 10.000 dólares para trazer o seu aplicativo para o mercado.

Dada a escassez de instrução de programação nas escolas norte-americanas – não é oferecido em 90% das escolas norte-americanas (segundo estatísticas, no Brasil esse número é menor que 1%), mesmo sabendo que que os “trabalhos” que exigem programação estão crescendo ao dobro do ritmo de outros trabalhos, de acordo com Code.org. Temos que mudar essa situação pra ontem!

Mas, como o Vale do Silício bem sabe, a necessidade de formação técnica é ainda mais pronunciada entre as mulheres e meninas. Enquanto cerca de 57% dos diplomas de bacharel vão para mulheres, a porcentagem desses que é em ciência da computação para elas é menos que 10%. Além de Iridescent, organizações como Girls Who Code, Girl Develop It e Black Girls Code e umas bem menores como uma tal de Mulheres na Computação estão tentando reverter essa diferença entre os sexos na tecnologia com as próprias mãos, dando apoio, informação e até treinamento para as mulheres e meninas.

Olhando para o mundo em desenvolvimento

Nos sete anos desde o seu lançamento, Iridescent levantou milhões de dólares da National Science Foundation e do Instituto de Pesquisa Naval Americano e tem parceria com empresas de tecnologia de topo como Google, Microsoft, Twitter e LinkedIn para orientar e educar mais de 17 mil meninas em NY , Los Angeles, Chicago, Boston e outras regiões através de seus diversos programas.

Pela primeira este ano, equipes internacionais competiram no desafio, mas Chklovksi disse que quer ir além equipes mais ricas do exterior para as meninas nos países em desenvolvimento.

A Iridescent até pode arcar com o custo das equipes com telefones celulares e tem parceiros corporativos na sua rede internacionais para ajudar a fornecer acesso a outras tecnologias, mas o maior problema aqui é de infra-estrutura – por exemplo, como atingir áreas que não ter acesso à Internet? A tentativa, segundo Chklovksi, é levar conteúdo em pen-drives por exemplo para que os alunos não fiquem dependentes da Internet.

Outras equipes podem enfrentar barreiras culturais. Por exemplo, a equipe de Gana, que queria participar do desafio este ano teve dificuldades, pois culturalmente um desafio como esse só era apropriados para homens de meia-idade que têm telefones celulares, e não meninas. Traduzindo o conteúdo do programa do inglês para  diferentes idiomas, provavelmente, será outra questão para possibilitar o aumento da presença da Iridescent no mundo em desenvolvimento.

O que dá pra perceber é que eles estão aprendendo e trabalhando bastante para solucionar problemas que surgem nessa empreitada mundial. O que é maravilhoso!

“Queremos meninas em países do terceiro mundo olhando para um telefone e dizendo: ‘Eu posso consertar isso. É ter a confiança para pensar em si própria como inventora. Estamos mudando a forma como o público vê as meninas e a maneira com elas mesmas se vêem “. AAAAA também quero que isso aconteça!

Linda a iniciativa né!? Gostaram!?

Só pra encerrar o post que já ficou grande e pra quem tiver um tempinho aí vai um video que está inclusive na página oficial do desafio que é: http://iridescentlearning.org/programs/technovation-challenge/ e é muito bacana! Curti muito!

beijos!

FONTE: GigaOM, Iridescent, Women2.0

Mulheres no comando!

Nada mais justo do que um post especial pelo DIA DA MULHER! Se a google pode fazer homenagem eu também posso! rs

Image

Quem me conhece sabe que não sou muito apegada a datas, mas hoje repensei esse meu desapego. O dia da mulher não está entre as datas mais “cultuadas” do país, mas de alguma maneira levanta uma discussão sobre a a situação da mulher no mundo. Perdi a conta do número de matérias, notas, reportagens que vi hoje destacando a importância da mulher no mercado financeiro, na TI, na universidade…em todos os lugares, afinal estamos no comando, né mulherada!?

Foi mais ou menos isso que pensei quando li essa matéria enviada pela minha mãe, a melhor das mulheres.

“Antigamente o mundo da tecnologia era dominado por homens. Mas, para alegria das feministas, este cenário mudou – e muito. Hoje, muitas mulheres estão tomando as rédeas de grandes empresas de TI como HP, IBM, Intel e Google. No caso da HP, Meg Whitman está no comando geral e, desde janeiro, a IBM passou a ser liderada por Virginia Rometty.

De todas, Meg carrega o fardo mais pesado. A executiva, que já passou pela presidência do eBay e pelo Partido Republicano, chegou à HP com o objetivo de reestruturar a empresa após a gestão mal sucedida de Leo Apotheker. “Estamos passando por um momento crítico e precisamos renovar nossa liderança para implementarmos com sucesso nossa estratégia de negócios e aproveitarmos as oportunidades que se abrem à nossa frente”, comentou Ray Lane, presidente do Conselho de Administração da companhia durante o anúncio do nome da presidente.

Apotheker passou por alguns dilemas no comando da HP. Se a fabricante investisse no acompanhamento do crescimento da Apple – que afetou as vendas de PCs com seu iPad –, os lucros da companhia seriam inevitavelmente menores. A partir daí, não haveria muita margem para grandes resultados no curto prazo, já que o setor de PCs é altamente competitivo. Então, o executivo decidiu redirecionar a fabricante para o mundo do software e abandonar a produção de PCs. Porém, a manobra não foi bem vista pelo mercado e Leo acabou sendo substituído.

Com isso, logo no início de sua gestão, Meg foi obrigada a desfazer algumas das decisões de seu antecessor, como anunciar que a empresa iria manter sua divisão de PCs e a retomada da produção de tablets para o mercado corporativo, evitando a acirrada concorrência com o iPad. “Queremos crescer no setor de software, mas sem abandonar os computadores”, disse a CEO durante o anúncio.

As resoluções da nova presidente foram vistas com bons olhos pelos analistas. Rob Enderle, do Enderle Group, considerou a desistência do spinoff muito positiva. “Isso mostra que ela toma decisões coerentes e será difícil de ela se enganar e fazer algo estúpido. Acho que esta é mais uma prova de que fizeram bem em trazer Whitman para endireitar o navio”, concluiu.

Já Virginia Rometty assumiu o leme da IBM em situações bem mais confortáveis. O maior desafio da executiva é dar continuidade ao trabalho bem executado de seu sucessor Samuel Palmisiano, que colocou a empresa de volta à ativa. Em outubro de 2011, após 15 anos, a fabricante voltou a ser mais valiosa do que a Microsoft. A empresa superou a companhia de Bill Gates em valor de mercado e virou a quarta maior do mundo. Atualmente, o valor da IBM é de US$ 203,8 bilhões, contra US$ 203,7 bilhões da Microsoft.

Em 100 anos de história, esta foi a primeira vez que uma mulher conduz a IBM. Desde que o ex-CEO completou 60 anos e pensou em abandonar o cargo, Virginia foi citada como a pessoa mais preparada para assumir a presidência global da companhia. A executiva, que trabalha há três décadas na fabricante, ganhou notoriedade quando liderou o processo de integração com a consultoria Price Waterhouse Coopers. Uma de suas tarefas foi transformar a IBM em uma fornecedora de soluções.

“Ela é mais do que uma admirável executiva operacional”, disse Palmisano ao divulgar o nome da sucessora. “Ela traz para o cargo de CEO uma combinação única de visão, foco no cliente, implacável direção, além de paixão pelos funcionários e futuro da empresa”, concluiu.

Outras duas mulheres que merecem destaque são Deborah Conrad, da Intel, e Marissa Mayer, do Google. Apesar de ambas não estarem propriamente à frente das companhias, elas são constantemente citadas como pilares importantes dentro das empresas.

A vice-presidente e chefe do departamento de marketing da Intel se uniu à equipe em 1986 como assessora de imprensa e nunca mais saiu. Ela chegou a trabalhar na Intel da Ásia por um tempo e voltou para os Estados Unidos para liderar o “Team Apple”, uma das principais alianças da companhia. Em 2008, quando foi nomeada diretora de marketing, Deborah não se intimidou com as decisões tomadas por seus antecessores e fez mudanças drásticas que permanecem até hoje. “Algumas das coisas que estávamos fazendo eram medíocres ou simplesmente ruins”, disse Conrad em entrevista para a Advertising Age. “Foi muito libertador para todos, pois todos queríamos as mesmas coisas”, completou.

Uma das mudanças mais impactantes foi o término de uma parceria global de anos com a McCann Erickson. Deborah trocou a famosa agência de publicidade por outras empresas menores que, segundo ela, se encaixavam melhor com os planos da Intel. A executiva também foi responsável pela criação de um dos eventos de maior destaque da empresa, o “The Creators Project”. A iniciativa, que conta com a parceria da revista Vice, mostra na música, artes plásticas e filmes as novas possibilidades oferecidas pela inovação tecnológica.

O segredo da executiva para tanta coragem e criatividade é a inspiração de alguns mentores. “Eu encontro muita motivação nas pessoas com quem eu trabalho e que trabalham pra mim. Não são apenas os líderes, mas a próxima geração de profissionais que está chegando. Eles são mais destemidos e em sintonia com seus sonhos”, finalizou.

A musa do Google também compartilha das mesmas qualidades de Deborah. Marissa Mayer participou da história da empresa desde o começo e foi a primeira engenheira mulher da empresa. A executiva chegou ao Google em 1999, época em que o site ainda fazia algumas centenas de milhares de buscas por dia, e criou e desenvolveu a interface de buscas, além de ampliar o site para mais de 100 línguas. Mayer ainda ajudou a introduzir novos recursos ao buscador, incluindo a busca Instant, que permite resultados em tempo real na ferramenta da companhia.

Recentemente, ela passou de vice-presidente de Pesquisa de Produto para supervisora de serviços locais e de geolocalização, dois mercados que a companhia está focando para impulsionar as vendas. E, como se não bastasse, a engenheira também está entrando para o comitê operacional da empresa, o grupo de gerência mais antigo do Google.

O motivo do sucesso destas e de tantas outras executivas é o fato das mulheres levarem para o mundo corporativo a colaboração e sociabilidade, segundo pesquisa do departamento de Psicologia da Universidade de Hertfordshire (Reino Unido).  De acordo com a professora responsável pela pesquisa, Karen Pine, durante o estudo ela pode perceber que ter pelo menos três mulheres na diretoria fez com que as empresas superassem a concorrência em ao menos 40%, em todos os quesitos aferidos.”

fonte: Olhar Digital.

Adorei essa última estatística!

Bom, é isso…

Parabéns mulheres!

beijos!