Por quê meninas?

Olá pessoal,

 

li um texto no blog do Goldie Blox bastante direto e que retrata bem o que penso sobre programas voltados para meninas e mulheres na tecnologia, assim como esse blog que vocês leêm e o Technovation Challenge que eu tenho tanto orgulho!

Fiz uma tradução livre e rápida para todo mundo entender, se quiserem ler o original está aqui!

Sou Reshma Saujani, e há dois anos fundei a organização sem fins lucrativos Girls Who Code para ensinar programação para adolescentes para diminuir o hiato de gênero na tecnologia. Nós começamos como um único grupo – piloto na cidade de Nova York – num programa de verão de 8 semanas de ciência da computação, com orientação feminina e exposição da indústria da tecnologia.

Depois de ver a nossa primeira turma de 20 meninas se formar e a partir do programa obter estágios em grandes empresas, fazer exame para Ciência da Computação, fundar clubes de código em suas escolas de ensino médio, apresentar seus projetos na Feira de Ciências da Casa Branca…eu sabia que estávamos fazendo algo certo.

Este ano, 2014 o nosso Programa de Imersão de Verão está se preparando para chegar a 320 jovens de todo o país. Observando as coisas incríveis que meninas de 16 e 17 anos podem criar e construir, as amizades que se formam, e a paixão que eles têm pelo o que estão aprendendo, eu nunca tive/tenho que me perguntar: “por que meninas?” Os resultados de nossos programas falam por si só.

Mas mesmo dois anos após o lançamento, a questão ainda parece me seguir. Sempre que um artigo é escrito sobre o Girls Who Code, eu vou direto para a seção de comentários. Inevitavelmente, um dos primeiros lugares (geralmente o que significa que é o mais popular) é alguma variação do frustrante, “Ser só para meninas é sexista”, ou “Todo mundo sabe que as meninas simplesmente não gostam de ciência da computação.”

Para ser justa, uma perspectiva mais produtiva ocasionalmente usa a mistura a seu favor, afirmando que todas as crianças – meninos e meninas – devem ter acesso à educação de alta qualidade ciência da computação.

Isso é verdade. Mas como alguém que veio para ver esta questão de perto e pessoalmente, estou cada vez mais certa de que é preciso fazer mais para fortalecer nossas meninas em ciência da computação e engenharia.

Por quê?

Bem, não é porque elas precisam de ajuda extra, ou são inerentemente piores que os meninos. Na verdade, as meninas são muito boas nisso. No ano passado, um estudo constatou que as meninas de 15 anos de idade em todo o mundo superam os meninos em ciência, exceto os EUA, Grã-Bretanha e Canadá. Da mesma forma, as notas de matemática entre meninos e meninas não divergem até a adolescência.

E não é porque as meninas não estão interessados ​​nela. A realidade é que as meninas estão começando a consumir tecnologiacada vez mais cedo.Elas são a maioria dos usuários em redes sociais como Twitter e Facebook.

Temos de nos concentrar nas meninas porque as meninas, ao contrário dos meninos, são ensinadas, desde cedo que os campos de computação e tecnologia não são para elas. Elas são inundados com retratos de mídia do menino gênia, do magnata da tecnologia, e do cientista louco. Ao crescer, as meninas ganham uma boneca da moda que diz: “Matemática é um saco!” e são vendidas camisetas que dizem “Alérgicas a Álgebra.”

Girls Who Código, GoldieBlox, e outras iniciativas estão trabalhando para mudar essas percepções, e nós precisamos ver cada vez mais esse tipo de coisa para garantir que essas jovens mulheres estão no caminho para preencher os mais de 1,4 milhões de empregos que deverão se abrir na tecnologia até 2020.

Mas o mais importante é que nós temos de nos concentrar em meninas, porque as meninas querem mudar o mundo. Temos todo o interesse de dar-lhes as ferramentas que elas precisam para fazê-lo.
Girls Who Code está liderando um movimento para chegar a 1 milhão de meninas com habilidades e inspiração para se tornar engenheiras e empresárias. E se trouxermos todos para a mesa – educadores, CEOs, políticos, pais, meninas e até mesmo celebridades – não tenho dúvidas de que teremos sucesso.

 

Todo amor do mundo para o Girls Who Code e a inspiradora Reshma Saujani! ❤

beijos!

Technovation Challenge: encorajando as futuras mulheres a programar!

“Através de aplicativos móveis desenvolvidos no Technovation Challenge, A Iridescent (organização sem fins lucrativos) atingiu milhares de meninas nos Estados Unidos. Agora eles querem atingir todo o mundo.”

Hoje o post é sobre uma iniciativa que chegou até mim algumas semanas atrás e merece ser conhecida por todos…e eu não poderia deixar de falar sobre ela pra vocês, afinal ela tem tudo a ver com a gente, e isso vocês já devem ter percebido só pela primeira frase.

Como tudo comecou…

Tara Chklovski cresceu na Índia e disse que lá meninas e meninos foram igualmente encorajadas a estudar engenharia e ciências. Sim!!! É isso mesmo que você ouviu. Então, quando ela foi para os EUA  com seus vinte e poucos anos, ela se surpreendeu ao ver as mulheres se afastando de carreiras em tecnologia.

“Fiquei impressionado pela forma como, em um país de primeiro mundo, tem mulheres que não se vêem como inventores e solucionadores de problemas”, disse ela. “As mulheres não vêem a ciência e a engenharia  como campos acessíveis a elas.”

Chklovski tinha planejado prosseguir o doutorado em engenharia aeroespacial e depois trabalhar para uma companhia de aviação. Mas, ao longo do caminho, ela decidiu mudar de direção e iniciar o Iridescent, uma organização sem fins lucrativos, com a missão de levar a STEM (ciência, tecnologia, engenharia e matemática) para os colegiais e incentivar mulheres engenheiras, cientistas e de outros cargos da tecnologia a serem mentoras.

E agora que o programa está ganhando força em os EUA, ela está ampliando seu escopo para países ao redor do mundo. Vem pro Brasil lalala!!! Vem pro Brasil lalala!!! : )

Fazer grandes aulas on-line e Criar

Através do  Technovation Challenge, meninas de todo Estados Unidos participam de um programa de desenvolvimento de aplicativos móveis de 12 semanas, que inclui a participação de lideranças femininas da tecnologia como a CEO do Yahoo, Marissa Mayer e Cristal Hutter, CEO da Edmodo,  CEO. As participantes reúnem-se com sua equipe e um professor orientador ou local a cada semana pessoalmente, e seguem as instruções on-line através P2PU, um projeto de educação on-line aberto.

“[O programa] É um híbrido entre meetups e Coursera”, disse Chklovski.

Este ano, por exemplo, o programa desafiou mais de 100 equipes de meninas a criar um aplicativo móvel que resolve um problema em sua comunidade. Algumas das finalistas mostrarão suas ideias para juízes do Google, Dropbox, o Office of Naval Research e outras organizações STEM. A equipe vencedora ganhará US $ 10.000 dólares para trazer o seu aplicativo para o mercado.

Dada a escassez de instrução de programação nas escolas norte-americanas – não é oferecido em 90% das escolas norte-americanas (segundo estatísticas, no Brasil esse número é menor que 1%), mesmo sabendo que que os “trabalhos” que exigem programação estão crescendo ao dobro do ritmo de outros trabalhos, de acordo com Code.org. Temos que mudar essa situação pra ontem!

Mas, como o Vale do Silício bem sabe, a necessidade de formação técnica é ainda mais pronunciada entre as mulheres e meninas. Enquanto cerca de 57% dos diplomas de bacharel vão para mulheres, a porcentagem desses que é em ciência da computação para elas é menos que 10%. Além de Iridescent, organizações como Girls Who Code, Girl Develop It e Black Girls Code e umas bem menores como uma tal de Mulheres na Computação estão tentando reverter essa diferença entre os sexos na tecnologia com as próprias mãos, dando apoio, informação e até treinamento para as mulheres e meninas.

Olhando para o mundo em desenvolvimento

Nos sete anos desde o seu lançamento, Iridescent levantou milhões de dólares da National Science Foundation e do Instituto de Pesquisa Naval Americano e tem parceria com empresas de tecnologia de topo como Google, Microsoft, Twitter e LinkedIn para orientar e educar mais de 17 mil meninas em NY , Los Angeles, Chicago, Boston e outras regiões através de seus diversos programas.

Pela primeira este ano, equipes internacionais competiram no desafio, mas Chklovksi disse que quer ir além equipes mais ricas do exterior para as meninas nos países em desenvolvimento.

A Iridescent até pode arcar com o custo das equipes com telefones celulares e tem parceiros corporativos na sua rede internacionais para ajudar a fornecer acesso a outras tecnologias, mas o maior problema aqui é de infra-estrutura – por exemplo, como atingir áreas que não ter acesso à Internet? A tentativa, segundo Chklovksi, é levar conteúdo em pen-drives por exemplo para que os alunos não fiquem dependentes da Internet.

Outras equipes podem enfrentar barreiras culturais. Por exemplo, a equipe de Gana, que queria participar do desafio este ano teve dificuldades, pois culturalmente um desafio como esse só era apropriados para homens de meia-idade que têm telefones celulares, e não meninas. Traduzindo o conteúdo do programa do inglês para  diferentes idiomas, provavelmente, será outra questão para possibilitar o aumento da presença da Iridescent no mundo em desenvolvimento.

O que dá pra perceber é que eles estão aprendendo e trabalhando bastante para solucionar problemas que surgem nessa empreitada mundial. O que é maravilhoso!

“Queremos meninas em países do terceiro mundo olhando para um telefone e dizendo: ‘Eu posso consertar isso. É ter a confiança para pensar em si própria como inventora. Estamos mudando a forma como o público vê as meninas e a maneira com elas mesmas se vêem “. AAAAA também quero que isso aconteça!

Linda a iniciativa né!? Gostaram!?

Só pra encerrar o post que já ficou grande e pra quem tiver um tempinho aí vai um video que está inclusive na página oficial do desafio que é: http://iridescentlearning.org/programs/technovation-challenge/ e é muito bacana! Curti muito!

beijos!

FONTE: GigaOM, Iridescent, Women2.0